Parar é morrer: as empresas precisam de estar sempre a inovar

Respeito pelo homem! Respeito pelo homem!… Aqui está a pedra de toque! Quando o nazi respeita exclusivamente quem é parecido com ele apenas se respeita a si próprio. Rejeita as contradições criadoras, arruina qualquer esperança de ascensão, e funda por mil anos, no lugar do homem, o robô de um formigueiro. A ordem pela ordem castra o homem do seu poder essencial, que é o de transformar o mundo e o de se transformar a si mesmo. A vida cria a ordem, mas a ordem não cria a vida.

“Carta a um refém” de Antoine de Saint-Exupéry


Se há lições a tirar em momentos desafiantes como o que atravessamos, o facto de que é preciso inovar constantemente parece-me ser uma das mais relevantes. Sobretudo nas empresas há que manter esta máxima sempre presente, ou a empresa corre o risco de estagnar e/ou desaparecer.

Historicamente, não são os mais fortes que sobrevivem mas os que melhor se adaptam às alterações. E isto aplica-se a gestores, a empresas, a líderes, a mercados, a comuns mortais…

Quando a Apple lançou o iPhone em 2005, a reação de Steve Balmer, CEO da Microsoft, foi de gozo: “500 dólares, sem teclado? É um desperdício de dinheiro e nunca vai funcionar”

Mais de uma década depois, os modelos de iPhone continuam a competir no topo do mercado de smartphones.

Este é apenas um dos milhares exemplos que vêm provar como o mercado se altera – e como só quem se adapta resiste. Haverá outros tantos exemplos perdidos para sempre na história, que nos mostram como a resistência à mudança ou fraca capacidade de adaptação não trazem mais que a morte dos negócios e empresas.

Os desafios no mercado são inúmeros:

  • Startups que proliferam e desafiam padrões;
  • Competidores que se reinventam e forçam mudanças nos modelos de negócio;
  • Gigantes que ameaçam “engolem” os mais pequenos;
  • Mercados inteiros que entram em auto-destruição através de guerras de preços
  • Governos e/ou reguladores que alteram significativamente as “regras do jogo”
  • Consumidores com novas necessidades que exigem novos produtos e serviços de maior qualidade.

Por isso, desengane-se quem acha que manter o negócio ao longos dos tempos é apenas uma questão de dinheiro e resiliência. É claro que isso ajuda, mas o segredo está numa mente crítica com capacidade para prever situações, criar soluções e adaptar-se tanto à mudança como às adversidades.

A importância de testar e falhar

Se o plano A falha, não é só preciso um plano B mas muitos outros. Com muitas experiências vamos “afinando a máquina”, conseguimos corrigir o que ficou mal e testar novas soluções.

Os processos de inovação não são necessariamente maus quando falham, mas é preciso que falhem tão rápido quanto possível, para rapidamente se aprender com o erro e repetir o processo de pensar, testar e instaurar novas ideias.

Quando nos parece que encontramos uma ideia que resulta, não paramos o processo de inovação, simplesmente viramos o foco para outra área, um novo produto, mercado ou modelo de negócio.

O responsável pela inovação

O papel que a inovação ganha nos dias de hoje, à luz do que vivemos, é tão relevante que não deve ser nem entregue ao CEO nem dividido pelas chefias intermédias. As organizações devem procurar identificar alguém que, transversalmente por toda a empresa, trabalhe com todas as chefias. O objetivo é promover essa cultura tão ágil quanto possível, que fomente a criatividade, as experiências, e que não permita que o medo de errar se torne castrador.

  • Analisar de forma transversal a cultura interna de trabalho e o mercado onde a empresa opera;
  • Promover e premiar experiências (e erros);
  • Incentivar mudanças organizacionais e de métodos de trabalho;
  • Garantir a comunicação interna de modo a manter toda a equipa informada e alinhada.

Para a empresa que instaura uma verdadeira cultura de inovação, qualquer momento de disrupção será acolhido como um novo desafio a conquistar, uma oportunidade de inventar algo novo e não como uma adversidade ameaçadora.

Independente de a empresa estar bem ou mal, qualquer altura é o momento certo para inovar. Se está a atravessar um mau período, a sua reinvenção é a bóia de salvação; é preciso tentar algo diferente do feito até ali e que não resulta mais. Se estiver ótima, então é a altura ideal para testar novos processos, aproveitando a “folga” que tem e conquistando a mudança.

Afinal como diz Tom Peters: “Estão demasiadas coisas a acontecer demasiado depressa para o remediado ter sucesso”.

Bernardo Mota

Bernardo Mota

COO

Yeah!

Your message was successful sent.

OK

Hey

We use cookies to offer you a better browsing experience, analyse site traffic, presonalize content, and serve targeted ads. Read how we use cookies and how you can control them in our “Cookie Settings”.
By using our site, you consent to our use of cookies.

> Cookie Settings

√ Accept Cookies